AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DA ARGILA ATAPULGITA IN NATURA E ORGANOFÍLICA NA ADSORÇÃO DE ÓLEO

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
13-069
THIANNE SILVA BATISTA BATISTA, T.S.(Universidade Federal de Campina Grande); Silva, V.C.(Universidade Federal de Campina Grande); Ramos, .B.(Universidade Federal de Campina Grande); Sousa, B.V.(Universidade Federal de Campina Grande); A utilização de argilas organofílicas na adsorção de contaminantes orgânicos é efetivada, principalmente, devido à característica hidrofóbica da argila adquirida com o processo de organofilização. Assim, objetivo deste trabalho foi avaliar a capacidade de adsorção da argila atapulgita in natura e organofilizada, na remoção de óleo de efluentes sintéticos. Para obtenção da variável resposta, representada pelo percentual de remoção de óleo, foram realizados ensaios de remoção seguindo um planejamento experimental 2² com repetições no ponto central, nos quais, os fatores aplicados foram: concentração inicial e o tempo de agitação. As técnicas de caracterização de difratometria de raios X permitiu observar os arranjos cristalinos que definem a estrutura do argilomineral, com a espectrofotometria na região do infravermelho identificou-se as substâncias presentes em sua composição e através da Micrografia Eletrônica de Varredura observou-se a morfologia fibrosa da atapulgita in natura como também as alterações ocorridas após o processo de organofílização na argila. De acordo com os resultados, foi possível verificar que a maior remoção de óleo foi de 67,57% que reflete em uma capacidade de adsorção de 7,23 mg de óleo por grama de argila organofilizada, na concentração inicial de 100 mg.L-1 de óleo e no tempo de agitação de 1 hora, enquanto que a argila natural apresentou 40,28% de remoção e uma capacidade de 4,31 mg/g, sob as mesmas condições. Assim, foi possível demonstrar que o processo de organofilização aplicada à argila atapulgita favoreceu a capacidade de remoção de óleo da argila.
<< Voltar