Avaliação termogravimétrica de compósito organofílico resultante de modificação química de esmectita maranhense com CTAB e Ioneno.

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
11-005
Domingos Augusto Mendonça Castro Castro, D.A.(IFMA); Dourado, J.L.(IFMA); Filho, A.P.(UFMA); A obtenção de argilas esmectíticas organofílicas por modificação superficial tem sido bastante relatada nas pesquisas sobre novas potencialidades de compósitos argilominerais. Esses novos materiais, em virtude de suas propriedades, têm aplicações diversas. O principal eixo de pesquisas sobre modificações modificação de argilas tem sido direcionado à ciência e engelharia de materiais, que visa a obtenção de organofílicos para matrizes de nanocompósitos poliméricos. Neste trabalho um esmectita organofílica foi obtida pela modificação química, por troca catiônica, com CTBA (brometo de hexadeciltrimetilamonio) e um polímero catiônico (Tetrametil-2,12-ioneno) a partir de argila oriunda da região sul do Estado do Maranhão (MA). As amostras da esmectita foram separadas em dois grupos. Um grupo foi modificado com o CTAB e o outro com o ioneno. Foram usadas variações de concentrações dos intercalantes em função da capacidade de troca catiônica da esmectita. As esmectitas organofílicas obtidas foram caracterizadas por termogravimetria (TG). Os termogramas evidenciaram a modificação estrutural da esmectita, comprovado em função degradação térmica e perda de massa caraterísticas de argilas organofílicas, também foi observado diferenças na degradação térmica em função da natureza dos intercalantes.
<< Voltar