APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CAULIM E SCHEELITA NA FORMULAÇÃO DE MASSAS CERÂMICAS PARA FABRICAÇÃO DE GRÉS PORCELANATO

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
05-006
Sidney Matias Carvalho Carvalho, S.M.(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte); Sousa, J.M.(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte); Gomes, Y.S.(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte); Nóbrega, L.P.(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte); APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CAULIM E SCHEELITA NA FORMULAÇÃO DE MASSAS CERÂMICAS PARA FABRICAÇÃO DE GRÉS PORCELANATO Sidney Matias de Carvalho1 João Batista Monteiro de Souza2 Yuri Souza Gomes3, ¹Aluno do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte sidneydmatias@hotmail.com Os caulins brasileiros podem ser divididos em cinco grupos: caulins sedimentares, caulins oriundos de pegmatitos, de rochas graníticas e etc. A província pegmatítica da região da Borborema-Seridó, localiza-se nos estados do Rio Grande do Norte e Paraíba. Na região de Equador-Junco (RN-PB), ocorrem diversos depósitos de caulins associados à alteração de pegmatitos. O Rio Grande do Norte não se faz diferente, o estado possui inúmeras industrias, de pequeno, médio e grande porte, que produzem cerâmica vermelha (tijolos, telhas), na (cobertura de papel, fabricação de tintas e etc). Este artigo tem por finalidade o uso de resíduos de Caulins e scheelita na fabricação do Grés Porcelanato, onde propomos uma solução sustentável e ecológica regional. As formulações propostas estão no padrão de cerâmica branca (ISO 13816): F1- 40% de caulim, 10% de quartzo, 30% scheelita, 25% de feldspato e F2- 35% de caulim, 10% de quartzo,30% de scheelita e 30% de feldspato. Palavras-chave: Resíduos de caulim. Resíduos de scheelita. Grés porcelanato.
<< Voltar