APROVEITAMENTO DA LAMA VERMELHA E FIBRAS VEGETAIS (SISAL E JUTA) EM COMPÓSITOS POLIMÉRICOS

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
11-008
Maria Lucia Pereira Antunes Costa, D.S.(Universidade Federal do Pará); Antunes, M.P.(Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - SOROCABA); El Banna, W.R.(Universidade Federal do Pará); Oliveira, L.S.(Universidade Federal do Pará); Costa, D.d.(Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará); Souza, J.S.(Universidade Federal do Pará); Santos, I.F.(Universidade Federal do Pará); MAFRA, M.D.(Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará); Fujiyama, R.T.(Universidade Federal do Pará); O artigo objetiva fabricar compósitos de resina poliéster utilizando resíduo de lama vermelha em combinações com fibras de sisal e juta para caracterizações mecânicas (tração e impacto), retardância à chama e morfológicas. A lama vermelha e as fibras são oriundas de empresas da região local. A resina foi a poliéster insaturada isoftálica juntamente com acelerador de cobalto e o iniciador. O método de fabricação dos compósitos laminados foi o hand lay-up em moldes metálicos. Os resíduos de lama vermelha foram utilizados na granulometria inferior a 100 mesh e as fibras nos comprimentos de 15 mm. As proporções em fração mássicas dos resíduos variaram em intervalos de 10 % até a saturação. A proporção de fibra foi fixa em 5 % em massa. Os compósitos em formato de placas retangulares foram testados de acordo com as normas de tração (ASTM D 3039) e impacto (ASTM D 6110). Os ensaios de retardância a chama de acordo com as normas ASTM D635-10 e UL 94. As análises morfológicas foram obtidas por microscopia eletrônica de varredura (MEV). Palavras-chave: Compósitos, Resíduo, Fibras, Caracterização.
<< Voltar