Determinação do grau de intemperismo em perfis de alteração e sua influência como matéria prima cerâmica.

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
01-004
Raimundo Humberto Cavalcante Lima Lima, R.H.(Universidade Federal do Amazonas); Fonseca, C.D.(Universidade Federal do Amazonas); O intemperismo das rochas na região amazônica é muito ativo e apresenta aspectos peculiares, em virtude das altas temperaturas e altos índices de pluviosidade. O intemperismo químico é o processo dominante na alteração dessas rochas e formação dos solos gerando produtos como lateritos. No estado do Amazonas, estudo de Motta et al (2014), detectaram zonas intempéricas desenvolvidas sobre corpos graníticos na Serra São Gabriel região norte do estado do Amazonas, localizados a, aproximadamente, 150 km de Manaus, capital do Estado. Os estudos foram realizados em caulim desenvolvidas sobre corpos graníticos na Serra São Gabriel, pertencente a Suíte Intrusiva Mapuera município de Presidente Figueiredo (AM). O trabalho teve como objetivo geral obter dados geológicos/intempéricos que auxiliem na caracterização desta zona de alteração sobre o granito São Gabriel (Suíte Intrusiva Mapuera) e avaliar seu uso como matéria-prima cerâmica. Como objetivos específicos identificar as fases minerais existente no material de alteração, reconhecer a constituição química (elementos maiores) do material analisado e realizar os ensaios tecnológicos (retração linear de queima, tensão de ruptura a flexão e índice de absorção d’agua). Os procedimentos laboratoriais consistiram na análise granulométrica, análise mineralógica por difração de raios-X e microscopia ótica, análise química por fluorescência de raios-X e ensaios tecnológicos cerâmicos. A Unidade geológica Mapuera é representada por corpos batóliticos e stocks, sendo composta por granitóides álcalis-feldspático. A análise dos perfis lateríticos mostrou que a zona intempérica é composta, principalmente, por quartzo, caulinita e haloysita e são originados a partir de uma composição álcalis silico ferrífera do corpo granítico primário. Os principais óxidos detectados nas amostras foram Al2O3, SiO2, Fe2O3, TiO2, sendo os menores teores de K2O, CaO e MgO. Comparando os dados químicos e mineralógicos, observou-se que a constitutuição química da zona intempérica coincide com a as fases minerais identificadas. De acordo com a química das amostras os dados de Ki ((SiO2/Al2O3) e Kr (SiO2/(Al2O3+Fe2O) mostraram valores altos nas amostras da base do perfil e baixos no topo. Estas relações mostram que ocorreu um aumento gradativo do grau de intemperismo na zona intempérica e se trata, portanto, de uma Laterita Verdadeira segundo classificação de Martin e Doyne (1927). Já de acordo com Schellmann (1983) os perfis estudados enquadram-se em uma lateritização de moderada a intensa com enriquecimento em alumínio e empobrecimento em silício no decorrer dos estágios de lateritização. Como resultados da caracterização tecnológica, o ensaio de retração linear de queima, com os corpos de prova queimados a 950°,1100° e 1250°C apresentaram aumento dos valores de retração com o aumento da temperatura para cada intervalo amostrado. Os resultados demonstram que com o aumento das temperaturas de queima a absorção de água tem um declínio considerável, devido a diminuição dos poros dos corpos de prova tornando-os mais compactos. Os corpos de provas das amostras localizadas no topo dos perfis apresentam maiores valores de absorção de agua em relação as amostras da base com menores valores de absorção de agua. Após as análises e interpretações concluiu-se que a zona intemperica apresenta composição química constituída, predominantemente, por Al2O3 e SiO2, relacionados respectivamente, aos argilominerais, oxi-hidróxidos de Al e quartzo residual. No que diz respeito aos aspectos granulométricos o conteúdo de argila predomina sobre silte e areia, com textura argilosa na porção superior e argilo-arenosa na porção inferior dos perfis. As análises de DRX indicaram boa cristalização de caulinita e gibbsita no topo dos perfis e quartzo residual na base.Os resultados obtidos nos ensaios tecnológicos dos perfis, em comparação com as condições exigidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2005) somente alguns intervalos de amostras na queima de 1250°C apresentaram dados relevantes para as propriedades analisadas. Para as propriedades de absorção de agua e retração linear, os intervalos amostrados que atenderam as condições exigidas foram amostras 9 e 10 e enquanto a tensão de ruptura foram as amostras 2 e 9.
<< Voltar