ESTUDO DA SECAGEM DA MASSA CERÂMICA VERMELHA INCORPORADA COM CINZA DE CAVACO DE BAMBU

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
03-047
NELSON AGAPITO BRANDÃO RIOS RIOS, N.A.(INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ); Soares, R.A.(INSTITUTO FEDERAL DO PIAUI); ANDRADE, D.T.(INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ); Silva, A.J.(Instituto Federal do Piauí); Conhecer o comportamento de secagem de uma peça cerâmica é importante tanto para entender o processo de retração como para evitar defeitos que comprometam a integridade da peça cerâmica. O objetivo deste trabalho é avaliar o processo de secagem da cerâmica vermelha com cinza de cavaco de cavaco de bambu (Bambusa Vulgaris) incorporada. Para tanto, foi utilizada a curva de Bigot para comparar os processos de secagem de corpos de prova extrusados a partir de massas cerâmicas com 0%, 5%, 10% e 15% de cinza de cavaco de bambu. Inicialmente, os corpos de prova foram secos em temperatura ambiente e, em seguida, secos em estufa a temperatura constante de 50°C até que a perda de umidade se mostrasse estabilizada. Também foram realizados ensaios de tensão de ruptura a flexão em máquina universal de ensaios mecânicos para avaliar se houve interferência na resistência mecânica. Foi observado que quanto maior o teor de cinza incorporada, menor a retração linear, haja vista que reduz a necessidade de água para obtenção de massa plástica. Este fato agrega valor ao uso da cinza de cavaco de bambu na incorporação em massa cerâmica, pois pode reduzir os custos produtivos a partir da economia de água e de argila.
<< Voltar