Estudo da descontaminação de ferro proveniente dos meios e frasco de moagem em mistura de óxidos cerâmicos processados por Moagem de Alta Energia

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
18-009
Sylma Carvalho Maestrelli Maestrelli, S.C.(Universidade Federal de Alfenas-campus de Poços de Caldas); Pallone, E.M.(Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos - FZEA); Giraldi, T.R.(Universidade Federal de Alfenas); Storion, A.G.(Universidade Federal de Alfenas); Pós nanométricos, cujas propriedades se diferenciam de seus respectivos materiais tradicionais, são aqueles que apresentam dimensões até 100 nm. Com relação às suas aplicações, podem-se citar capacitores, células solares, catalisadores e aplicações biomédicas. No que diz respeito aos catalisadores, sua área superficial é uma informação de extrema importância, uma vez que grande parte de processos industriais baseados em seus princípios irão se ativar e ocorrer na superfície do mesmo, o que faz com que sejam estudados diferentes processos de obtenção de pós extremamente finos. Existem diversas técnicas para a obtenção de pós em escala manométrica, variando entre sínteses químicas, termofísica ou mecânicas. A moagem de alta energia é uma técnica mecânica consolidada dentre as rotas de obtenção de pós-finos. Este método, apesar de apresentar vantagens como facilidade no processo, custo reduzido, e a não utilização de solventes tóxicos, pode gerar uma contaminação nos produtos de moagem devido ao desgaste do material constituinte tanto do frasco quanto do corpo moedor, o que pode prejudicar as propriedades finais do produto obtido. O presente trabalho teve como objetivo o estudo da descontaminação do ferro proveniente do processo de moagem realizado com corpos e frasco de aço em misturas de Óxidos de Tungstênio (WO3, 99,9% de pureza, MW: 231,84 g/mol - Sigma-Aldrich®) e Titânio (TiO2, 99% de pureza, MW: 79,87 g/mol - SigmaAldrich®). As matérias-primas foram caracterizadas via Difratometria de Raios X, Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC), Termogravimetria (TG), e B.E.T. Depois de caracterizadas, diferentes composições em massa do sistema TiO2:WO3 (a saber: 0:100, 30:70, 50:50, 70:30 e 100:0) foram processados via moinho do tipo SPEX Mixer/ Mill com tempo de moagem de 2 horas, sob a proporção mássica de Bola:Material de 5:1. Os pós processados passaram por processos de lixívia ácida em Ácido Clorídrico 20% e Ácido Oxálico 0,5M, a fim de comparar a eficiência na retirada do ferro presente no produto de moagem. Os pós foram levados à reação em meio ácido sob aquecimento até que a solução não apresentasse mais sinais de reação, indicado pela coloração amarelo-esverdeada. Após a lixívia, os pós foram centrifugados para a coleta, e lavados em água para a retirada do ácido residual. O processo de lavagem foi realizado três vezes. Após as lavagens em água e secagem em estufa, o pó foi adicionado em meio de álcool isopropílico e a suspensão foi colocada em agitação magnética por trinta minutos, com posterior desaglomeração em ultrassom e secagem. Os resultados de DRX indicaram que, em se tratando do sistema TiO2:WO3, os resultados utilizando-se Ácido Clorídrico foram superiores àqueles obtidos com Ácido Oxálico; entretanto, não foi possível a total descontaminação de ferro. Os autores agradecem à FAPEMIG e CAPES pelo apoio concedido.
<< Voltar