Caracterização e preparo de argilas utilizadas na indústria de cerâmica vermelha em aplicações para nanocompósitos poliméricos.

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
18-011
Ayrton de Sá Brandim Brandim, A.d.(Instituto Federal do Piauí); Brito, E.M.(IFPI/CEUPI); Andrade, I.P.(IFPI); Bezerra, P.H.(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí); Ribeiro, T.V.(IFPI); Braz, A.R.(FACID-DEVRY); Veloso, A.d.(ESTÁCIO-CEUT); Saraiva, A.A.(FACULDADE CEUPI); MENDES, J.A.(FACULDADE CEUPI); Nogueira, A.T.(Instituto Federal do Piauí); Argilas são rochas sedimentares constituídas por pequenas partículas cristalinas de argilominerais. Em geral, o componente principal das argilas é a sílica (SiO2), com isso, para diferenciá-las, utiliza-se a presença dos elementos Al, Mg, Fe, K, Na e Ca como indicadores do tipo de argila, bem como o espaçamento basal entre as camadas de argilominerais (VELDE, 1992). Atualmente apresentam uso crescente em inumeráveis aplicações como em fertilizantes, catalisadores, areias de fundição, tijolos refratários, adsorventes, agentes descorantes e clarificantes de óleos e gorduras, tintas, agentes de filtração, cargas para polímeros e elastômeros, papel, etc. (SANTOS; MELO; SOBRINHO, 2002). Sendo materiais heterogêneos, suas características dependem da formação geológica e localização da extração. Os Estados do Piauí e Maranhão possuem geologia de potencialidades minerais diversificadas, que incluem substancias minerais ferrosos e não ferrosos, bem como minerais metálicos de não-metálicos, e de minerais gemológicos, como de calcário, quartzito, ardósia, opala, minerais pesados, materiais de construção (areias, seixos, pedras para fundação, brita, etc.), argilas de queima branca e argilas para cerâmica vermelha (CEPRO, 2005). O referido estudo realizou o preparo de nanocompósitos de Poliestireno (PS) e argilas organofílicas a partir de argilas que são utilizadas nas industrias ceramistas locais. As argilas, que a principio eram hidrofílicas, foram modificadas organicamente utilizando-se três sais quaternários de amônio diferentes. Os nanocompositos foram preparados por intercalação no polímero fundido em três técnicas diferentes. Os materiais obtidos foram caracterizados por difração de raio-X (DR-X); espectrometria de infravermelho (FR-X); microscopia óptica (MO), microscopia eletrônica de varredura (MEV), espectroscopia por energia dispersiva (EDS) e ensaios reológicos de cisalhamento oscilatório de pequenas amplitudes (COPA), suas propriedades térmicas analisadas por TG e DTG, e realizados ensaios mecânicos de tração e impacto Izod. As técnicas utilizadas no preparo dos nanocompósitos se mostraram eficazes, apresentando similaridade de resultados. Os resultados de DR-X, MEV e MO, mostraram que grande parte dos nanocompósitos apresentou estruturas com fases intercaladas. As análises térmicas demonstraram que a adição das argilas ao PS, trouxe uma maior estabilidade térmica. Os ensaios reológicos e mecânicos dos nanocompósitos apresentaram uma pequena variação em relação ao PS puro. Desta forma tais argilas se mostraram positivas para o preparo de nanocompósitos bem como as técnicas utilizadas no preparo das mesmas.
<< Voltar