Processamento de Resíduos de Fibra de Vidro Contaminados com Resina Epóxi Através de Irradiação de Micro-ondas

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
13-047
Hélio Wiebeck Kersting, D.(USP); Wiebeck, H.(USP); Esper, F.J.(USP); Mancini, S.D.(Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Ciência e Tecnologia, Sorocaba); Em virtude da profusão das diferentes aplicações de materiais compósitos, atualmente temos estes materiais empregados nas industrias mais diversas, indo de aplicações em pontes na engenharia civil, até na fabricação de foguetes na indústria aeroespacial. A fibra de vidro é um dos principais materiais empregados na produção de materiais compósitos, respondendo por uma boa fatia do mercado brasileiro. A nível internacional, também temos o emprego da fibra de vidro associada a materiais compósitos dos mais diferentes tipos. Dados os volumes envolvidos, e os problemas ambientais associados ao fim da vida útil de materiais compósitos, diversos processos foram criados, e outros tantos seguem em pesquisa para emprego em larga escala: reciclagem via pirólise (com/sem catalisadores, com/sem vácuo), reciclagem na fabricação de cimento, etc. O emprego da irradiação de micro-ondas, com/sem o uso de solventes também se apresenta como uma das alternativas, sendo uma das alternativas já estudadas internacionalmente. Este trabalho vem a estudar uma variação das técnicas já empregadas, sem o uso de reagentes líquidos, processando resíduos de fibra de vidro em pó contaminadas por epóxi, e aproveitando as características de absorção de radiação de micro-ondas do carvão ativado e de zeólitas. Para a irradiação via micro-ondas foi utilizado um forno de micro-ondas doméstico adaptado para os ensaios, com o emprego de uma base de alumina de forma a proteger a cavidade de interna do forno. A medição de temperatura no processamento foi realizada através de termoimagens no infravermelho, sendo a perda de massa sendo medida após a irradiação. Os resultados são promissores, sendo possível reduzir consideravelmente a quantidade de resina epóxi presente, com baixo consumo de energia no processo, e baixa geração de efluentes. O controle do processo com o emprego de irradiação de micro-ondas também possibilitou a determinação de curvas de perda de massa ao longo do tempo, sendo possível prever o tempo versus perda de massa, para uma dada potência de irradiação. Para 20 minutos de irradiação, no nível de potência máximo do forno, foi possível proporcionar uma perda de massa total da mistura de 20% em peso, com o uso de carvão ativado como absorvedor. Consideradas as perdas com a queima do próprio carvão ativado, apuradas separadamente, foram necessários 20 minutos para consumir 100% a fração de resina epóxi contaminante. Adicionalmente, a separação dos produtos envolvidos pós-processamento também é facilitada, sobre tudo com o emprego de zeólitas no processamento.
<< Voltar