EFEITO DO AGENTE QUELANTE NA OBTENÇÃO DE BiFeO3 PELO MÉTODO DE PRECURSOR POLIMÉRICO

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
02-024
Ariane Vilca Suarez Suarez, A.V.(Universidade Federal de São Carlos); Togashi, M.M.(Universidade Federal de São Carlos); Gunnewiek, R.F.(Universidade Federal de Alfenas); Perdomo, C.F.(Universidade Federal de São Carlos); Kiminami, R.H.(Universidade Federal de São Carlos); O BiFeO3 revela-se como um dos materiais mais intrigantes, não só por ser um dos mais promissores multiferroicos magnetoelétricos para aplicações à temperatura ambiente, mas também por mostrar recentemente uma variedade de novos efeitos em filmes finos. Porém, mesmo com vários métodos de obtenção da BiFeO3 é comum o aparecimento de fases indesejáveis, o que evidencia a complexidade da síntese mesmo usando métodos químicos, o que permite a exploração continua neste aspecto. Desta forma o método do precursor polimérico tem sido um método muito promissor na preparação de materiais monofásicos, e poucos estudos existem na literatura da síntese de BiFeO3 por esse método, garantindo a estequiometria e a pureza do material. Diante disso, este trabalho apresenta resultados do efeito do agente quelante (ácido cítrico-etilenoglicol e ácido poliacrilico 1800) no processo de cristalização da BiFeO3, assim como nas características microestruturais finais do material sintetizado pelo método de precursor polimerico. A morfologia e estrutura dos pós sintetizados foram sistematicamente analisadas por termogravimetria (TG), difração de raios-X (DRX), espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier (FT-IR), área superficial específica (BET) e microscopia electrónica de varredura (SEM). Os resultados indicam que o sistema obtido usando ácido cítrico/etilenoglicol como agente quelante não só reduziram em 100 oC a temperatura de cristalização, levando a uma redução no tamanho de partícula quando comparado com o sistema sintetizado usando ácido poliacrilico 1800, mais também permitiu a obtenção do sistema com aprox. 3% de fase Bi2Fe4O9 após calcinação (fase secundaria típica na obtenção de BiFeO3), fase secundaria 7% menos que a apresentada pelo sistema sintetizada usando ácido poliacrilico 1800, porcentagem de fase secundaria similar aos sistemas reportados na literatura que usam etapas de lixiviação após calcinação e sistemas dopados com 3-5% de íons de terras raras que substituem os sítios do Bi.
<< Voltar