Análise Microestrutural e Eletromagnética da Ferrita de Cobalto com Adição de Pentóxido de Nióbio

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
10-032
Antonio Carlos Da Cunha Migliano Carvalho, F.E.(Instituto de Estudos Avançados); Migliano, A.D.(Instituto de Estudos Avançados); Lemos, L.V.(Instituto de Estudos Avançados); Machado, J.P.(Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais); Pullar, R.C.(Universidade de Aveiro); Com o propósito de ampliar o potencial de aplicação da ferrita de cobalto (CoFe2O4) no segmento aeroespacial, foi adicionado um percentual de pentóxido de nióbio em sua composição final e verificada uma redução na densidade de amostras confeccionadas com esse material. Esse trabalho compara as propriedades microestruturais e eletromagnéticas das ferritas com e sem adição de pentóxido de nióbio para verificar se as mesmas foram significativamente afetadas. As amostras necessárias para realizar essas avaliações foram processadas pelo método convencional e sinterizadas a 1500ºC. As propriedades estruturais foram avaliadas por difração de raios X (DRX) e microscopia eletrônica de varredura (MEV). Além de possibilitarem comparar os tamanhos de grãos e poros e descrever a microestrutura das amostras, esses resultados permitiram evidenciar a presença de nióbia após a densificação. Quanto as propriedades eletromagnéticas, estas foram avaliadas por meio de medidas complexas de permissividade e permeabilidade utilizando-se técnicas de transmissão e reflexão (T / R) em linha coaxial de duas portas. As curvas de dispersão de permissividade e permeabilidade tendem a definir uma redução das perdas com a adição de pentóxido de nióbio, minimizando a atenuação de sinais eletromagnéticos no material. A partir dos resultados das medidas complexas serão apresentados gráficos de reflectividade desse material para o espectro de 250 MHz a 10 GHz, que ratificam a aplicação dessa composição em radomes e sensores de RF e microondas.
<< Voltar