Evolução dos contornos de grão do aluminato de magnésio obtido via coprecipitação

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
02-070
Gilberto José Pereira Pereira, G.J.(Centro Universitário da FEI); Gardino, L.(Centro Universitário da FEI); O Aluminato de Magnésio (MgAl2O4) é um material que combina densidade relativamente baixa (3,58 g/cm3) com alto ponto de fusão (2135°C) e alta dureza (16,1 GPa), transmitância óptica ao espectro visível e alta inércia química. Tais propriedades tornam o Aluminato de Magnésio atraente para aplicações em sistemas ópticos, janelas de veículos à prova de balas (blindados), e outras aplicações militares comerciais. Entretanto, tais características são fortemente dependentes da etapa de sinterização deste material. Neste contexto, este trabalho estudou o evolução dos contornos de grão em amostras de aluminato puro nanométricos. Diferentes amostras foram sintetizadas por coprecipitação, a partir de soluções aquosas de nitrato de alumínio(1 mol/L) e nitrato de magnésio (1 mol/L) estequiometricamente preparadas, e precipitadas em solução aquosa de hidróxido de amônio 2 mol/L. A temperatura de precipitação foi ajustada e mantida em 30°C, assim como o pH do meio precipitante em pH=11. O precipitado obtido foi separado por filtração a vácuo, e seco em estufa a 70°C por 12h. O gel resultante foi desaglomerado, e 5 diferentes amostras foram produzidas em temperaturas diferentes de calcinação: 700, 750, 800, 850 e 900oC ao ar por 5 horas. Então, as amostras foram caracterizadas por difração de raios X e área superficial, e posteriormente submetidas a calorimetria exploratória diferencial (DSC), onde a entalpia de crescimento de grão pôde ser medida. À 700oC foi medido 270J/g e a 900oC 147J/g. Não houve precipitação ou formação de fases secundárias após a sinterização, conforme constatado por difração de raios X. A área do contorno de grão se manteve constante até 800oC, em torno de 82,0 m2/g e esta temperatura é coerente com os inícios dos picos exotérmicos (onset temperature) dos pós calcinados abaixo de 900oC.
<< Voltar