OTIMIZAÇÃO DE COMPOSIÇÃO DE ARGILAS ESMECTÍTICAS DO ESTADO DA PARAÍBA PARA USO EM FLUIDOS DE PERFURAÇÃO DE PETRÓLEO BASE ÁGUA.

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
01-060
Bruna Michele Arruda de Brito Buriti Buriti, B.M.(Universidade Federal de Campina Grande); Cartaxo, J.M.(Universidade Federal de Campina Grande); Bastos, P.M.(Universidade Federal de Campina Grande); Buriti, J.d.(Universidade Federal de Campina Grande); Neves, G.A.(Universidade Federal de Campina Grande); Barros, J.G.(Universidade Federal de Campina Grande); Atualmente mais de 79 % das argilas bentoníticas industrializadas são oriundas das jazidas de Boa Vista, PB. Estes jazimentos vêm sendo minerados de forma desordenada há mais de 40 anos, resultando no esgotamento das variedades mais nobres, havendo um sério prejuízo para qualidade do produto final. Este trabalho teve como objetivo otimizar as propriedades reológicas das novas ocorrências de argilas bentoníticas do Estado da Paraíba utilizando a técnica de planejamento experimental de misturas a fim de adequá-las as exigências da Petrobras e da indústria nacional. As argilas utilizadas neste trabalho foram provenientes dos municípios de Olivedos e Boa Vista, PB. As amostras de argilas foram misturadas utilizando a técnica em supramencionada, e em seguida caracterizadas físicas, química, térmica e mineralogicamente. Após caracterização as argilas foram transformadas em sódicas e determinadas suas propriedades reológicas para uso em perfuração de poços de petróleo de acordo com a norma da Petrobrás. As variáveis respostas, viscosidade aparente, viscosidade plástica e volume de filtrado, foram avaliados mediante análises das superfícies de respostas que simplifica a interpretação dos resultados. Os resultados obtidos evidenciaram que as argilas estudadas do Município de Olivedos apresentaram elevada contaminação de minerais acessórios, sendo esses responsáveis pelas propriedades reológicas não adequadas para uso em fluidos de perfuração; as composições 33,33 % AM1 (Olivedos) + 33,33 % AM3 (Chocolate Boa Vista) + 33,33 % AM4 (Bofe Boa Vista) e 33,33 % AM2 (Olivedos) + 33,33 % AM3 (Chocolate Boa Vista) + 33,33 % AM4 (Bofe Boa Vista) atendem as especificações da Petrobrás (VA ? 15; VP ? 4 e VF ? 18); os modelos estatísticos para todos os parâmetros reológicos VA, VP e VF, são estatisticamente significativos ao nível estipulado (95 %) e que o modelo está muito bem ajustado para VA (R2 = 0,99) e VF (R2 = 0,968) e suficientemente ajustado para VP; o modelo é preditivo para VA e VF. A interação entre as argilas do município de Olivedos, Chocolate e Bofe contribuíram para aumentar VP.
<< Voltar